Petit Journal
Petit Journal
Jan 21, 2021
Grécia, Turquia e o Mar Egeu
Play • 8 min
O Parlamento Grego aprovou uma legislação que amplia de 6 para 12 milhas o mar territorial do país no Mar Jônico, na costa oeste do país. Mas o recado foi para a rival de longa data, a Turquia, que fica a leste, por causa das tensões entre os países em torno do Mar Egeu. Quer entender a questão? Ouve a coluna de hoje do prof. Tanguy Baghdadi.

Na próxima terça-feira começa o novo curso do Petit Journal, “Utopias e Realidades do Grande Oriente Médio”. Pra saber mais, acesse petitcursos.com.br e conheça os novos planos para se tornar nosso aluno!

E pra se tornar apoiador do Petit Journal, acesse petitjournal.com.br e clique na aba “Apoie o Petit”. Seu apoio é muito importante para nós!
revista piauí
revista piauí
revista piauí
#139: Liberalismo adernado e o tsunami
O Foro de Teresina discute a pandemia fora de controle um ano depois dos primeiros registros da Covid-19 no Brasil, as consequências da interferência de Bolsonaro na Petrobras e a decisão do STJ que favoreceu Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas. 1º bloco: 02:20​​ 2º bloco: 19:51 3º bloco: 34:28​​ Para acessar reportagens citadas nesse episódio: https://piaui.folha.uol.com.br/foro-de-teresina-139-liberalismo-adernado-e-o-tsunami/ Assista aos bastidores da gravação: piaui.co/ftprivilegiado Aqui, uma playlist com todos os episódios do Foro: piaui.co/setforo O Foro de Teresina é o podcast de política da revista piauí, que vai ao ar todas as sextas-feiras, a partir das 11h. O programa é uma produção da Rádio Novelo para a revista piauí. Ouça também os outros podcasts da piauí: o Luz no fim da quarentena, sobre o que a ciência está descobrindo a respeito da pandemia de Covid-19 (piaui.co/playlistquarentena), o Maria vai com as outras, sobre mulheres e mercado de trabalho (piaui.co/playlistmaria), e A Terra é redonda, sobre ciência e meio ambiente (piaui.co/playlistaterra). Apresentação: Fernando de Barros e Silva, José Roberto de Toledo, Thais Bilenky e Bernardo Esteves Coordenação geral: Paula Scarpin Direção: Mari Faria Edição: Évelin Argenta e Claudia Holanda Produção: Marcos Amorozo Apoio de produção: Marcelle Darrieux, Gabriela Varella e Renan Sukevicius Produção musical, finalização e mixagem: João Jabace Música tema: Wânya Sales e Beto Boreno Identidade visual: João Brizzi Ilustração: Carvall Teaser (Foro Privilegiado): Mari Faria Distribuição: Marcos Amorozo Coordenação digital: Kellen Moraes e Juliana Jaeger Checagem: Gustavo Queiroz Para falar com a equipe: forodeteresina@revistapiaui.com.br
56 min
Jornal da USP
Jornal da USP
Jornal da USP
Brasil Latino:  Dora Maria Téllez e Paulo Abrão e a crise política na Nicarágua
Em 19 de julho de 1979, quando os sandinistas tomaram o poder na Nicarágua derrotando a longeva ditadura da família Somoza, a América Latina foi tomada por um sentimento de esperança. Aqueles jovens guerrilheiros eram portadores da luta pela independência, justiça social e democracia. Logo após a revolução, avanços foram obtidos como o direito à saúde, educação e terra. Essas conquistas só não foram mantidas e ampliadas por causa da ingerência norte-americana que financiou grupos armados e assim sufocou o processo revolucionário. Por meio de eleições democráticas, a oposição derrotou os sandinistas e assumiu o poder em 1990. Somente em 2006, a Frente Sandinista de Libertação Nacional voltou ao governo com Daniel Ortega. Nessa altura, o partido já estava dividido. A dissidência sandinista, formada por comandantes guerrilheiros históricos, acusava Ortega e sua família de corrupção e acordos políticos espúrios para se manter no poder. Em abril de 2018, manifestações populares colocaram o governo em xeque e a repressão policial matou mais de 200 pessoas, segundo relatório da OEA. Desde então, a instabilidade política é permanente. A pandemia agravou os problemas econômicos e atualmente o futuro é incerto. Para falar sobre a situação da Nicarágua, o Brasil Latino entrevista a comandante guerrilheira Dora Maria Téllez, ex-ministra da Saúde e ex-deputada constituinte, que lidera o partido opositor Unamos, uma dissidência da Frente Sandinista de Libertação Nacional, e Paulo Abrão, especialista em Direitos Humanos na América Latina, PhD em Direito e ex-professor em universidades no Brasil e na Espanha. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. .
54 min
Fronteiras no Tempo
Fronteiras no Tempo
Portal Deviante
Fronteiras no Tempo #54 Mitos da escravização
Estamos de volta com o Fronteira no Tempo! E desta vez C. A. e Marcelo Beraba vão debater com vocês a respeito de alguns dos mitos que cercam o processo de escravização dos africanos ocorrido entre os séculos XVI e XIX. Diante de um tema bastante complexo as pesquisas historiográficas têm encontrado cada vez mais formas de entender as relações dentro do sistema escravista, porém, ainda são muitos os enganos e interpretações equivocadas povoando a nossa visão sobre este passado. Venham conosco em mais essa viagem ao pretérito, sempre de olho nas questões do presente em relação a este tema. Neste episódio: Entenda os significados da escravidão moderna e as diferenças entre regime e os que existiram em outras sociedades. Reflita sobre o processo de escravização como forma de criação de relações sociais, políticas e culturais no mundo moderno e contemporâneo. Entenda como se desenvolveram as pesquisas históricas, as principais interpretações e autores, e de que forma essas leituras sobre a escravidão moldaram nossa identidade nacional. Analise como a escravidão se relaciona com o desenvolvimento do sistema capitalista. Conheça o processo do tráfico negreiro e, ainda, as diferenças entre a escravidão que existia em África e a que foi sendo criada pela demanda europeia por mão-de-obra. Se surpreenda ao perceber como um sistema que terminou há tanto tempo ainda traz consequências graves para todo o conjunto da sociedade brasileira e, também, de todas as regiões que formavam o que hoje em dia conhecemos como mundo atlântico.
1 hr 41 min
Search
Clear search
Close search
Google apps
Main menu