GABRIELA ALBERGARIA, NUNO HENRIQUE e DELFIM SARDO | A Leitura do Lugar e a Representação da Paisagem
Play • 2 hr 3 min

Conversa com Gabriela Albergaria, Nuno Henrique e Delfim Sardo


GABRIELA ALBERGARIA


"Most of us are transplants, uprooted from our native soil.

The very dirt out there carries its own history and provides us with a sense of place."

(Florence Krall - on the book "The Meaning of Gardens, Idea, Place and Action - edited by Mark Francis and Randolph T. Hester, Jr.)

Apresento uma serie de imagens que mostram varias peças feitas ao longo dos últimos anos em vários locais. A ideia é fazer uma primeira apresentação do trabalho concentrando-me nos aspectos metodológicos.

A ideia de reconstrução de momentos, sejam observados ou a partir de mecanismos do sentir, são pontos que me interessam. E por isso a ideia de um local físico que desperta o desejo de executar uma determinada peça é importante.

A importação de linguagens de outros campos para a linguagem da arte revelou-se uma das formas de trabalhar que mais me convém.

A paisagem no sentido cultural é o que me interessa, não a paisagem "selvagem".

Novos desafios se apresentam com a leitura da vastidão da paisagem americana.

Gabriela Albergaria

Março de 2013

 

Biografia (resumo)

Gabriela Albergaria, nasceu em Vale de cambra, Portugal, em 1965. Vive e trabalha em Nova Iorque. Em 1985 concluiu a licenciatura em Artes Plásticas- Pintura pela FBAUP.

Desde 1999 que expõem regularmente.

Integrou varios programas de residências de artistas, como Kunstlerhaus Bethanien, Berlim (2000/2001); Cité Internationale des Arts, Paris (2004): Villa Arson, Centre National d'Art Contemporain, Nice, France (2008); Museu de Arte Moderna da Bahía, São Salvador da Bahía, Brasil (2008); The University of Oxford Botanic Garden in collaboration with The Ruskin School of Drawing and Fine Art, Oxford, UK (2009/2010).


Foi nomeada para o prémio Ars Viva 2002/2003 - Landschaft na Alemanha.

Nomeada para o Prix Pictet 2008, The World's Premier Photographic Award in Sustainability.

O seu trabalho integra várias colecções privadas e públicas.


É representada em Portugal pela Vera Cortês Agência de Arte Contemporânea, e no Brasil pela Galeria Vermelho.

----


NUNO HENRIQUE


O trabalho que tenho desenvolvido, entre o Desenho e a Escultura, tem tido como ponto de partida narrativas que têm como objecto espécies botânicas.

Em parte o conteúdo narrativo do meu trabalho deve-se à experiência efectiva com a floresta indígena dos arquipélagos da Madeira, de onde sou natural, e do Porto Santo. Floresta que só nos locais mais inacessíveis sobreviveu ao povoamento das ilhas pelos portugueses. Ocupando hoje apenas 15% da totalidade do território, esta floresta tornou-se para mim numa experiência da sua ausência.

Assim a minha obra não tem sido apenas acerca dessas espécies mas sobre o que permanece e o que desaparece, explorando o potencial interdisciplinar ilimitado da botânica, que estabelece ligações com todos os outros aspectos da vida.

Em parte este trabalho tem-se materializado na criação de "monumentos", explorando as potencialidades plásticas do calco, uma técnica de decalque utilizada em arqueologia. Difundida principalmente no séc. XIX e aperfeiçoada pelo pintor orientalista Lottin de Laval nas suas expedições arqueológicas, esta técnica permitiu, através da modelagem em gesso a partir das simples folhas de papel, realizar uma reconstituição dos monumentos — evitando, assim, as práticas arqueológicas até aí vigentes que passavam pela recolha de fragmentos resultantes da destruição dos achados.

Um calco é uma cópia dos relevos de uma inscrição lapidar obtida por pressão sobre um papel humedecido colocado sobre o objecto a reconstituir.

A minha prática artística relaciona-se, assim, com a tradição clássica da escultura — a do monumento funerário — apesar de não recorrer aos materiais tradicionais. Através dos calcos transporto para o espaço expositivo os 'achados' das minhas expedições, encenadas no espaço de atelier e trabalhados de modo a explorar uma certa ideia de monumentalidade.

O meu trabalho, contudo, não se limita aos calcos. Passa também pela produção de desenhos, de fotografias, de 'livros de artista' assim como de pequenos filmes que invocam os lugares onde acontecem as minhas expedições e que se tornam parte integrante da criação dos monumentos — registos documentais que, em conjunto com os calcos e no confronto com o espaço expositivo, resultam em instalações.

Um material tornou-se fundamental no espaço de atelier – o papel. Através de competências adquiridas com os calcos e de uma prática de investigação plástica centrada no atelier, alguma da minha obra mais recente, tem encontrado outras estratégias.


Nuno Henrique

 

Biografia (resumo)

Nuno Henrique nasceu no Funchal em 1982. Em 2005, licenciou-se em Escultura na Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto. Foi assistente de produção da Porta 33, em 2008. E frequentou nos anos lectivos de 2008/9 e 2009/10 o Projecto Individual na Ar.Co através de uma bolsa da Porta 33.

Das exposições que participou destacam-se, "Linha de Partida", comissariada por Alexandre Melo, no Centro de Artes Casa das Mudas, Calheta, 2009; "Quarenta Calcos" Galeria Módulo, Lisboa, 2010; "O velho Dragoeiro que existia na Ponta do Garajau caiu ao mar durante uma chuvada intensa de sudeste, ocorrida no equinócio de Outono de 1982.", na Porta 33, Funchal, 2010 ; "As Saudades da Terra", Galeria Módulo, Lisboa, 2012.

Foram-lhe atribuidas bolsas: da Porta 33 em 2008 e 2009; do Centro Nacional de Cultura, Lisboa, 2011; Fundacion Botin para frequentar o "Lothar Baumgarten Workshop", Santander, 2012; Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Luso-Americana para uma residência no Location One, Nova Iorque, 2012.

Recebeu ainda o 2º Prémio no "IV Certamen de Dibujo Contemporáneo Pilar y Andrés Centenera Jaraba", Fundación Centenera, Madrid, 2013.

Vive e trabalha entre Lisboa e a Ilha da Madeira.


DELFIM SARDO


Biografia (resumo) Delfim Sardo nasceu em Aveiro em 1962.

É curador, docente universitário e ensaísta.

É Professor do Colégio das Artes e da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Presidente da Associação Internacional de Críticos de Arte /Portugal.

Foi o Comissário Geral da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2010.

Desde 1990 que se dedica à curadoria de arte contemporânea, bem como à ensaística sobre arte.

Entre 2003 e 2006 foi Director do Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Foi fundador e director da revista Pangloss.

Entre 1997 e 2003 foi consultor da Fundação Calouste Gulbenkian.

Em 1999 foi o Comissário da Representação Portuguesa à 48ª Bienal de Veneza.

Em 2010 foi co-Comissário da Representação Portuguesa à Bienal de Veneza de Arquitectura.

No campo das publicações destacam-se os volumes Julião Sarmento, Catalogue Raisonée, Edições Numeradas, Vol.I (MEIAC, 2007), Luxury Bound (Electa, Milão, 1999), Jorge Molder (Caminho, Lisboa, 2005), Helena Almeida, Pés no Chão, Cabeça no Céu (Bial, 2004), Pintura Redux (Fundação de Serralves/Público, 2006), Abrir a Caixa (Caixa Geral de Depósitos, 2009) e A Visão em Apneia (Babel, 2011).

Colabora regularmente como ensaísta para publicações sobre arte e arquitectura.


More episodes
Search
Clear search
Close search
Google apps
Main menu